A importância do planejamento patrimonial na preservação dos bens familiar

O objetivo do planejamento patrimonial é a preservação do patrimônio familiar no longo prazo e com foco nas próximas gerações. Esse objetivo está alicerçado em três pilares básicos; o planejamento sucessório, a eficiência tributária e a proteção patrimonial. O desafio maior é definir os passos a serem dados para alcançar esse objetivo.

Na construção de um projeto de planejamento patrimonial, deve-se analisar a estrutura familiar com todas as suas particularidades e as suscetibilidades de cada membro integrante dessa estrutura, juntamente com a composição do patrimônio que, geralmente está formado por aplicações financeiras, imóveis e participações societárias, no Brasil e no exterior.

O que temos observado no Brasil é uma mudança no perfil dos investidores. As pessoas estão ficando ricas cada vez mais jovens, em função de que as novas gerações das famílias com patrimônio têm se mostrado mais empreendedoras, como também a sociedade em geral. No passado, não muito distante, as famílias empresárias direcionavam a próxima geração para integrar na gestão do patrimônio familiar. A continuidade era uma obrigação, sem espaço para questionamentos.

Com a evolução social e cultural, as novas gerações passaram a ser mais questionadoras desse modelo e com mais coragem para alçar voos solos. O desejo de não seguir os passos das gerações anteriores ficou mais explícito e a necessidade de seguir seus próprios caminhos. O empreendedorismo dessa nova geração questiona o modelo utilizado no passado, pois os lucros obtidos eram sempre reinvestidos no negócio familiar. A vontade de investir em novos empreendimentos é grande, mas não necessariamente no próprio negócio familiar. Poucos conseguiam apoio, seja do ponto de vista financeiro ou emocional. A ruptura tornou-se um caminho bastante comum.

Essa relação vem evoluindo com o passar do tempo. Alguns fatores colaboraram fortemente para uma drástica e importante mudança no comportamento e relacionamento das gerações com o lado empreendedor das famílias. Entre outros aspectos, um mundo mais tecnológico e globalizado que possibilita acesso, quase automático, a informações, conteúdos e conhecimentos. Além disso, a geração atualmente dominante vem preparando um ambiente mais propício a uma discussão intensa e saudável sobre o papel de cada um dos herdeiros na gestão do patrimônio familiar.

Isso mudou, fundamentalmente, a maneira como a inciativa do empreendedorismo deve ser tratada. Ao final de contas, a adaptação ao processo de preservação do planejamento patrimonial estará sempre presente nas discussões, pois é de fundamental importância entender os objetivos dos herdeiros. Portanto, é preciso preparar um ambiente mais moderno, com novas ideias, demandas e iniciativas, mas sem afastar dos três pilares básicos da preservação do patrimônio familiar que são a sucessão, a eficiência tributária e a proteção patrimonial.

Com: Folha de Pernambuco.